O que é um worm informática? Os 9 exemplos mais terríveis

Par Tibor Moes / Mise à jour: janeiro 2024

O que é um worm informática? Os exemplos mais terríveis

Os worms de computador representam uma ameaça significativa à segurança cibernética, capazes de causar danos generalizados às infraestruturas digitais e aos dados pessoais.

Neste artigo, exploraremos os nove ataques de worms de computador mais devastadores da história, fornecendo insights sobre seu impacto e as lições aprendidas com cada incidente.

Significado de worm informática: Um worm informática é um malware que se copia automaticamente de um computador para outro.

  • Morris Worm (1988): Um dos primeiros worms a ganhar ampla atenção, infectou rapidamente uma parte significativa dos primeiros computadores da Internet. Ele causou danos estimados em milhões, afetando cerca de 6.000 computadores.
  • Melissa (1999): Esse worm se espalhou por e-mail, causando uma interrupção generalizada e exigindo limpezas caras. O prejuízo total foi estimado em cerca de US$ 80 milhões.
  • Worm ILOVEYOU (2000): Disfarçado de carta de amor, esse worm infectou rapidamente milhões de PCs com Windows em todo o mundo. Mais de dez milhões de computadores foram afetados.
  • Worm Code Red (2001): Visando o software de servidor da Web IIS da Microsoft, infectou mais de 359.000 sistemas em menos de 14 horas, causando mais de US$ 2 bilhões em danos.
  • Slapper (2002): Um worm que tinha como alvo os sistemas Linux e atingiu um patamar de cerca de 7.000 servidores infectados. Foi notável por criar uma rede de computadores comprometidos.
  • SQL Slammer (2003): Esse worm de rápida disseminação afetou mais de 250.000 computadores em todo o mundo, afetando a velocidade e os serviços da Internet. Ele destacou vulnerabilidades nos sistemas de gerenciamento de banco de dados.
  • Mydoom Worm (2004): Conhecido por sua rápida propagação por e-mail, o Mydoom causou prejuízos estimados em US$ 38 bilhões. Ele infectou cerca de 50 milhões de computadores em todo o mundo.
  • Sasser (2004): Explorando uma vulnerabilidade do Windows, o Sasser infectou cerca de 2 milhões de computadores. Ele causou falhas e reinicializações frequentes, interrompendo as operações em todo o mundo.
  • Stuxnet (2010): Um worm sofisticado que tinha como alvo os sistemas de controle industrial, arruinou um quinto das centrífugas nucleares do Irã e degradou 1.000 máquinas. Mais de 200.000 computadores foram infectados.

Não se torne uma vítima do crime cibernético. Proteja seu PC com o melhor antivírus e sua privacidade com a melhor VPN.

Exemplos de worms informática

1. Morris Worm (1988)

No final da década de 1980, o mundo digital testemunhou uma de suas primeiras grandes crises de segurança com o surgimento do Morris Worm. Esse código aparentemente inócuo, criado por um estudante de pós-graduação da Universidade de Cornell, Robert Tappan Morris, rapidamente saiu do controle.

Em apenas 24 horas após seu lançamento, o worm havia se infiltrado em cerca de 6.000 computadores. Esse número pode parecer modesto para os padrões atuais, mas era uma porcentagem significativa dos cerca de 60.000 computadores conectados à então nascente Internet.

As repercussões financeiras foram surpreendentes. Conforme relatado pelo FBI, as avaliações iniciais de danos começaram em US$ 100.000, mas à medida que a extensão total do impacto do worm ficou clara, esses números dispararam para milhões.

O Morris Worm foi um alerta, destacando a fragilidade dos sistemas de computadores interconectados e o potencial de destruição que poderia ser causado por um único código malicioso.

2. Melissa (1999)

Em 1999, o cenário digital enfrentou outro desafio formidável com o vírus Melissa. Batizado com o nome de uma dançarina exótica da Flórida, esse vírus foi uma criação de David L. Smith.

O Melissa se disfarçava como um anexo de e-mail inócuo, mas, uma vez aberto, replicava-se enviando mensagens para os 50 principais contatos do catálogo de endereços do Microsoft Outlook do usuário. Essa rápida multiplicação causou uma enorme pressão sobre os servidores de e-mail em todo o mundo.

O FBI estimou o dano coletivo causado pelo vírus Melissa em cerca de US$ 80 milhões. Essa soma impressionante foi atribuída principalmente à limpeza e ao reparo dos sistemas de computador afetados. O alvoroço do Melissa serviu como um lembrete claro das vulnerabilidades inerentes aos softwares amplamente utilizados e da facilidade com que um vírus bem elaborado poderia interromper a infraestrutura digital global.

3. ILOVEYOU Worm (2000)

A virada do milênio viu o surgimento de um dos worms de computador mais infames da história: o worm ILOVEYOU. Esse worm de nome enganoso causou estragos em escala global, explorando a curiosidade e a confiança humanas.

Disfarçado como uma carta de amor enviada por e-mail, o worm induzia os usuários a abrir um anexo que liberava sua carga maliciosa. De acordo com a Wired.com, o worm ILOVEYOU se espalhou rapidamente pelo mundo, infectando mais de dez milhões de computadores pessoais com Windows a partir de 5 de maio de 2000.

A simplicidade de seu método de distribuição – um e-mail de um contato conhecido com uma linha de assunto atraente – desempenhou um papel fundamental em seu impacto generalizado. O worm ILOVEYOU não apenas causou uma perda substancial de dados ao sobrescrever arquivos, mas também destacou as vulnerabilidades dos sistemas de comunicação baseados em e-mail e a necessidade de maior conscientização sobre as práticas de segurança digital entre os usuários individuais.

4. Code Red Worm (2001)

Um ano após o incidente do ILOVEYOU, o mundo digital enfrentou outra ameaça significativa: o worm Code Red. Esse worm tinha como alvo computadores que executavam o software de servidor da Web IIS da Microsoft, explorando uma vulnerabilidade de estouro de buffer para se replicar e se espalhar pelas redes.

A velocidade e a escala de sua disseminação foram alarmantes – conforme relatado pelos pesquisadores David Moore, Colleen Shannon e Kimberly C. Claffy, o Code Red infectou mais de 359.000 sistemas em menos de 14 horas. A rápida proliferação do worm não apenas causou lentidão na Internet, mas também comprometeu a segurança dos sistemas afetados.

O custo financeiro do worm Code Red foi imenso, com danos totais estimados em mais de US$ 2 bilhões. Esse incidente ressaltou a importância de atualizações e patches de software em tempo hábil, bem como a necessidade de medidas de segurança robustas para proteger a infraestrutura essencial da Internet.

5. Slapper (2002)

Em 2002, o mundo digital se deparou com uma ameaça única direcionada aos sistemas baseados em Linux: o worm Slapper. Ao contrário de seus antecessores, que visavam principalmente os sistemas Windows, o Slapper explorou uma vulnerabilidade na biblioteca de software criptográfico OpenSSL, usada por muitos servidores que executam o Linux. De acordo com o CNET.com, a propagação desse worm acabou se estabilizando em cerca de 7.000 servidores.

Embora esse número possa parecer modesto em comparação com outros surtos maciços, a importância do Slapper está em seu método de ataque. Ele criou uma rede de computadores infectados, conhecida como botnet, que poderia ser usada para ataques coordenados ou para espalhar e-mails de spam.

O worm Slapper foi um alerta para a comunidade Linux, enfatizando a necessidade de vigilância constante e atualizações regulares, mesmo em sistemas considerados mais seguros do que os do Windows.

6. SQL Slammer (2003)

No ano seguinte, em 2003, surgiu o worm SQL Slammer, que causou uma interrupção generalizada. Esse worm explorou uma vulnerabilidade nos produtos de banco de dados SQL Server e Desktop Engine da Microsoft. O SQL Slammer foi incrivelmente eficiente em seu projeto, permitindo que se espalhasse rapidamente pelo mundo. O WeLiveSecurity.com informa que, globalmente, acredita-se que mais de 250.000 computadores tenham sido afetados por esse worm.

O impacto do SQL Slammer não foi apenas no número de sistemas infectados, mas também nos danos colaterais que causou. Ele reduziu significativamente a velocidade do tráfego geral da Internet e até mesmo causou interrupções em alguns serviços essenciais, incluindo saques em caixas eletrônicos e horários de voos de companhias aéreas.

O incidente do SQL Slammer destacou as consequências de longo alcance dos ataques cibernéticos a serviços e infraestruturas essenciais, ressaltando a necessidade crítica de práticas de codificação seguras e aplicação oportuna de patches de segurança.

7. Mydoom Worm (2004)

Em 2004, o worm Mydoom surgiu como um dos surtos de malware mais prejudiciais da história. De acordo com o NordVPN.com, o Mydoom causou um prejuízo surpreendente de US$ 38 bilhões, o que lhe rendeu o notório título de um dos piores vírus de todos os tempos.

Esse worm se espalhou principalmente por e-mail, com mensagens contendo linhas de assunto enganosas para induzir os destinatários a abrir o anexo e, assim, acionar o worm. Uma vez ativado, o Mydoom se replicava e se enviava para endereços de e-mail encontrados na lista de contatos do usuário, multiplicando rapidamente seu alcance.

Os pesquisadores de segurança estimam que o Mydoom infectou cerca de 50 milhões de computadores em todo o mundo, demonstrando sua eficiência devastadora.

O impacto financeiro do Mydoom foi sentido em vários setores, desde usuários individuais até grandes corporações, destacando as amplas vulnerabilidades dos sistemas de comunicação por e-mail e a necessidade de medidas de segurança abrangentes.

8. Sasser (2004)

Também em 2004, o mundo digital enfrentou outra ameaça significativa com o worm Sasser. Ao contrário do Mydoom, o Sasser não exigia a interação do usuário para se espalhar. Em vez disso, ele explorou uma vulnerabilidade no Microsoft Windows. Depois que um computador era infectado, o worm procurava outros sistemas vulneráveis e se propagava.

De acordo com a Wikipedia.org, o Sasser e suas variantes infectaram cerca de 2 milhões de computadores em todo o mundo. O worm fez com que os computadores travassem e reiniciassem com frequência, levando a interrupções significativas nas operações pessoais, comerciais e até mesmo em serviços públicos essenciais.

O surto de Sasser ressaltou a importância de atualizações regulares do sistema e as possíveis consequências de vulnerabilidades de segurança não corrigidas. Também destacou a necessidade de maior conscientização e preparação contra essas ameaças, especialmente nos setores de infraestrutura crítica.

9. Stuxnet (2010)

Em 2010, o mundo testemunhou uma nova era de guerra cibernética com a descoberta do Stuxnet, um worm de computador altamente sofisticado, diferente de qualquer outro já visto. O Stuxnet não era apenas uma ferramenta para roubo de dados ou interrupção de sistemas; era uma arma projetada para sabotagem física.

De acordo com a M.A.C. Solution, o Stuxnet teve um impacto devastador sobre o programa nuclear do Irã, supostamente arruinando quase um quinto das centrífugas nucleares do país. O worm visava especificamente os sistemas de controle industrial usados na infraestrutura crítica, marcando uma mudança significativa na natureza das ameaças cibernéticas.

O Stuxnet infectou mais de 200.000 computadores, mas seu recurso mais alarmante foi a capacidade de causar danos físicos. O worm fez com que 1.000 máquinas se degradassem fisicamente ao manipular os processos de controle industrial para os quais foram projetadas para proteger.

Esse nível de sofisticação no projeto do Stuxnet permitiu que ele não fosse detectado enquanto realizava suas tarefas destrutivas, demonstrando um novo nível de ameaça cibernética que poderia preencher a lacuna entre os mundos digital e físico.

Conclusão

A história dos worms de computador, desde o Morris Worm, em 1988, até o Stuxnet, em 2010, ressalta um aspecto crítico do nosso mundo digital: a ameaça constante e em evolução representada pelo software mal-intencionado.

Esses exemplos, cada um causando danos e interrupções significativos, destacam a importância da vigilância e de medidas proativas na segurança cibernética. Eles servem como um lembrete claro das possíveis vulnerabilidades em nossos sistemas interconectados e da necessidade contínua de se manter à frente das ameaças cibernéticas.

Em vista dessas ameaças, a importância de uma segurança cibernética robusta não pode ser exagerada. É fundamental investir em soluções confiáveis de segurança cibernética de marcas confiáveis como Norton, Avast, TotalAV, Bitdefender, McAfee, Panda e Avira. Esses provedores oferecem recursos de proteção avançados que protegem contra as mais recentes ciberameaças.

Essas soluções antivírus oferecem segurança em várias camadas, incluindo detecção de ameaças em tempo real, avaliações de vulnerabilidade do sistema e recursos avançados, como proteção contra ransomware e proteção contra roubo de identidade.

Ao escolher um programa antivírus confiável, os usuários podem reduzir significativamente o risco de serem vítimas da próxima geração de worms de computador e outras ameaças cibernéticas, garantindo sua segurança digital e a integridade de seus dados pessoais e profissionais.

Fontes

  1. FBI.gov
  2. FBI.gov
  3. Wired.com
  4. Researchgate.net
  5. CNET.com
  6. Welivesecurity.com
  7. Nordvpn.com
  8. MAC-solutions.net

 

Autor: Tibor Moes

Autor: Tibor Moes

Fundador e editor-chefe do SoftwareLab

Tibor testou 39 programas antivírus e 30 serviços de VPN, e possui um certificado de pós-graduação em segurança cibernética da Universidade de Stanford.

Ele usa o Norton para proteger seus dispositivos, o CyberGhost para sua privacidade e o Dashlane para suas senhas.

O senhor pode encontrá-lo no LinkedIn ou entrar em contato com ele aqui.