O que é um vírus de computador?

Os 5 tipos mais perigosos

Vírus de computador

Um vírus informático não é muito diferente de um vírus biológico como, por exemplo, o da gripe. Quando são contraídos, ambos podem permanecer no sistema, adormecidos, para depois entrarem em atividade quando menos se espera. Se a ameaça for detetada cedo e as medidas adequadas forem tomadas a tempo, podemos conseguir controlar os sintomas e recuperar rapidamente. Se, por outro lado, a situação não for tratada, não só os vírus podem contagiar outros organismos como também causar sérios danos à saúde e bem-estar do seu hospedeiro.

Sumário: Um virus de computador é um software malicioso, ou um pedaço de código executável, que infeta ficheiros e programas no seu computador. Abrir um ficheiro infetado faz com que o código do vírus seja executado, resultando em danos aos seus ficheiros, ao seu computador, e à sua segurança na Internet. Continue a ler para saber mais acerca dos tipos mais comuns de vírus informáticos e formas de os eliminar.

Computer Virus

O que é um vírus informático?

Um vírus informático é um pedaço de código executável ou software malicioso que se auto-replica através do controlo de outros programas num computador infetado. Criado para se espalhar de um computador anfitrião para outro, um vírus “agarra-se” a um pedaço de software ou documento e aí permanece até que o utilizador abra o ficheiro em questão. Quando o faz, o vírus executa o código respetivo, causando assim danos ao computador anfitrião.

Há muitas formas de contrair um vírus informático – através de downloads de ficheiros, anexos de e-mails, instalações de software comprometido, ou links fraudulentos nas redes sociais. O vírus é depois espalhado através da partilha desses ficheiros infetados ou links. Se o seu computador faz parte de uma rede, o facto de um só utilizador abrir um ficheiro comprometido no seu ambiente de trabalho pode ser o suficiente para deitar abaixo toda a rede informática.

Apesar de alguns vírus serem considerados “bons” por terem efeitos positivos nas máquinas anfitriãs, os vírus informáticos são “maus” por definição. Quando executados, podem enviar spam para os seus contactos de e-mail e redes sociais, corromper ficheiros no seu disco rígido, e tornar o seu computador mais lento. Os vírus podem também roubar as suas palavras-passe e alterar os seus dados de login para o impedir de aceder à sua conta de e-mail, perfis de redes sociais, contas bancárias online, ou até mesmo ao seu computador. No pior caso, um vírus pode apagar todos os dados do seu disco rígido numa questão de segundos.

Que tipos de vírus de pc existem?

Existem bem mais de um milhão de vírus diferentes em todo o mundo, com muitos a serem criados diariamente. Os vírus evoluem muito rapidamente, e certos tipos que eram considerados no passado extremamente perigosos são hoje em dia eliminados rotineiramente pelo melhor software antivírus. Tendo em conta a sua gravidade e de que forma afetam a sua máquina, podemos dividir os vírus informáticos em cerca de uma dezena de tipos. Aqui estão os cinco piores para os quais deve estar alertado.

  1. Vírus de Macro

Talvez o tipo mais comum de vírus, o vírus de macro associa-se a ficheiros criados em programas que suportam macros (uma macro é uma sequência de comandos que pode ser executada pressionando uma única tecla). Estes vírus são normalmente encontrados em documentos do Microsoft Word e em folhas de Excel.

Geralmente distribuídos através de anexos de e-mail, os vírus de macro são ativados quando o utilizador abre o ficheiro infetado. Se o fizer diretamente a partir do seu cliente de e-mail, o vírus envia uma cópia exata do ficheiro a todos os contactos da lista. Se o utilizador descarregar o ficheiro para o seu computador e o abrir posteriormente, o vírus de macro propaga-se por outros ficheiros .docx e .xls na sua rede de computadores e altera o seu conteúdo.

  1. Vírus de Arquivo

Enquanto que os vírus de macro habitualmente infetam ficheiros criados no Microsoft Office, os vírus de arquivo associam-se a ficheiros executáveis com extensões .exe e .com. Quando o utilizador abre um ficheiro infetado para executar o programa respetivo, está também, inconscientemente, a executar o vírus. O vírus poderá, depois, assumir o controlo do programa e espalhar-se por outros ficheiros executáveis no disco rígido ou por outros computadores da mesma rede.

O principal objetivo dos vírus de arquivo é comprometer a segurança de ficheiros e dados nos computadores e redes dos utilizadores, criar botnets peer-to-peer e desabilitar o software de segurança nos computadores conectados. Alguns vírus de arquivo podem reescrever todos os ficheiros executados durante o arranque, tomando assim conta do computador por completo. Há também casos registados de vírus de arquivo que formataram totalmente discos rígidos infetados.

  1. Hijackers

Tal como o nome sugere, os hijackers (sequestradores) assumem o comando de certos aspetos do seu browser. Normalmente, estes alteram a sua página inicial para um motor de busca falso e reescrevem as configurações do browser de modo a que seja impossível de a alterar. Sempre que o utilizador efetua uma pesquisa e pressiona Enter, o vírus leva-o até um website completamente diferente e força-o a clicar num anúncio ou a registar-se para poder aceder ao website desejado.

Na maioria dos casos, os hijackers destinam-se a gerar receitas para os seus codificadores através de anúncios no browser em que o utilizador pode clicar. Geralmente, vêm incluídos com software grátis e barras de ferramentas para o browser que oferecem opções avançadas de busca. Felizmente, este tipo de vírus é facilmente detetável pela maioria dos antivírus.

  1. Vírus de Script

Estes vírus atacam websites populares, normalmente de uma forma muito discreta. Os vírus de script reescrevem o código do website de forma a inserir links e vídeos que instalam software malicioso no computador dos utilizadores. E, em muitos casos, os administradores do website nem sequer se apercebem que estão a alojar conteúdo potencialmente perigoso. Se um hacker for experiente, para infetar a página basta-lhe escrever o código nocivo e fazer um post desse código na secção dos comentários.

Alguns vírus de script não fazem mais do que apresentar ao utilizador anúncios sob a forma de imagens e texto de forma a gerar receita para o seu criador. Porém, alguns podem roubar os seus cookies e usar essa informação para deixar comentários em seu nome no website infetado. Felizmente também, a maioria dos antivírus alerta o utilizador quando este está a visitar um website malicioso.

  1. Vírus de Boot

Apesar de terem perdido alguma força nos últimos tempos, os vírus de boot (ou do setor de arranque) ainda podem sob algumas formas. Na altura em que os computadores arrancavam a partir de disquetes, estes vírus eram extremamente comuns. Infetavam a partição de sistema no disco rígido e eram lançados durante o arranque do computador.

Hoje em dia, este tipo de vírus é distribuído principalmente através das formas sobreviventes de suporte físico de dados – USB e discos externos. Contudo, o vírus de boot já não constitui uma verdadeira ameaça, dado que a maioria dos sistemas operativos contém mecanismos de segurança que protegem o setor de arranque contra software malicioso. Mesmo que, por algum motivo, um destes vírus conseguisse infetar o seu sistema, a maioria dos antivírus consegue eliminá-los facilmente.

Exemplos de vírus informáticos

Eis alguns dos vírus informáticos mais perigosos e/ou mais notáveis:

  • Melissa foi um vírus de macro que se espalhou através de anexos de e-mail infetados e causou 80 milhões de dólares de prejuízo em danos. O seu criador, David L. Smith, cumpriu uma pena de prisão de 20 meses e foi proibido de aceder a redes informáticas sem autorização.
  • Yankee Doodle era um vírus de arquivo não destrutivo de origem búlgara que tocava a canção “Yankee Doodle” nos computadores infetados, todos os dias às 5 da manhã.
  • Shamoon era um vírus destrutivo que podia apagar todos os dados de uma rede informática em apenas segundos. Foi desenvolvido como uma arma na ciberguerra contra o setor da energia saudita e isolado em 2014, para regressar 2 anos mais tarde como “Shamoon 2”.
  • Klez era um vírus de macro que desativava o software antivírus no computador infetado e enchia a conta de e-mail da vítima com spam, evitando que esta recebesse novas mensagens.

Como remover um vírus informático

Há muitas soluções, tanto grátis como pagas, que fazem a promessa de manter o seu computador seguro contra ameaças, mas só o melhor software antivírus consegue cumprir essa promessa. Estes programas analisam o seu sistema em busca de ameaças e alertam-no se alguma for encontrada. Dependendo da gravidade do vírus, estes podem colocá-lo em quarentena ou remover o ficheiro completamente para impedir que este se multiplique.

Alguns vírus são tão destrutivos que podem apagar todos os seus dados e deixar o seu disco rígido inutilizável. Depois de atacarem, pode já ser tarde demais, e é por isso que a prevenção é importante.

Se tiver software fiável instalado no seu computador, os vírus não conseguem infetar os seus documentos e ficheiros. Para assegurar a melhor proteção possível, certifique-se que está a usar a versão mais recente do software e que descarrega diariamente as definições de vírus. O melhor software antivírus faz tudo isto automaticamente, permitindo-lhe navegar sem preocupações relativas a vírus e outras ameaças à sua segurança online.

Fontes (em inglês):